domingo, 7 de junho de 2015

TARANCÓN E O MAR

Grupo Tarancón (Arquivo internet)

                Está no final a 2ª Semana do Mar, em Ubatuba. De repente, a programação diz: Grupo Tarancón se apresenta no sábado, às 20:00 horas, no Projeto Tamar. Não tenho dúvida: vamos lá!

                Na minha juventude, eu pertencia a um grupo de jovens que enxergava as coisas de outra forma. Assim, influenciados por todo um contexto histórico, pelas notícias da ditadura chilena matando Victor Jara, pela poesia de Violeta Parra e pela música de Mercedes Sosa, conhecemos o grupo que difundia ritmos brasileiros, andinos e outros que não era costume aparecer na mídia. Diziam que o nome derivava de uma mina de carvão nas Astúrias que, desabando, matou onze trabalhadores. Mas...enfim... nós nos apaixonamos pelo pessoal. Por isso, fiquei contente pela oportunidade de toda a minha família poder ter desfrutado, ontem, do espetáculo na sede do Projeto Tamar.
                Da formação inicial, logo reconheci o Emílio fazendo o melhor de si nas flautas. Que beleza o som da zampoña!  Outro destaque continua sendo o charango na sua melodia estridente, tal como o cavaquinho. Ah! Brincaram o Estevan e o Régis: “O nome daquele cavaquinho é charango”.
                Na hora me recordei de Victor Jara percorrendo o Chile e resgatando os ritmos dos povos andinos e transmitindo para o mundo todo esse vigor. Por isso foi fuzilado no estádio de futebol pelos militares que governaram esse país latinoamericano. Vale a pena ler mais a respeito desse pessoal que, através da arte, promoveu a conscientização de tanta gente. Num determinado momento, quando ouvíamos a música de Mercedes Sosa, as lágrimas vieram com a lembrança da Tia São que tanto a amava.

                Tarancón – Já se passaram trinta e cinco anos desde o nosso primeiro contato!

Nenhum comentário:

Postar um comentário