quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

FOLIA DE REIS

Escola do Tinga (Imagem J.C. CURTIS)

Reis na Estufa - 1982 (Arquivo JRS)

            Conforme a tradição da religiosidade popular, se celebra em seis de janeiro o Dia de Santos Reis. Os caiçaras, desde os tempos mais antigos, começam as cantorias no primeiro dia do Advento (início de dezembro) e, geralmente, em Ubatuba, na igreja matriz, fazem o grande encontro das folias na noite do dia seis. Antigamente, depois disso, as folias faziam uma cantoria festiva no dia dois de fevereiro, quando se comemorava o dia de Nossa Senhora das Candeias. Hoje isso já não ocorre. 
             Hoje, reproduzo o texto publicado n'O GUARUÇÁ, onde a escola do bairro do Tinga, em Caraguatatuba, dá essa importante contribuição na valorização desse importante aspecto da nossa cultura. Parabéns a todos os envolvidos!


Festa de encerramento da Folia de Reis

A manifestação religiosa celebra o fim do ciclo natalino e reproduz a passagem bíblica em que Jesus Cristo foi visitado pelos Reis Magos Melquior, Baltasar e Gaspar.A Cia. de Folia de Santos Reis de Santo Antônio, do bairro do Tinga, realiza neste sábado (06/1), a partir das 16h, na EMEF Lúcio Jacinto dos Santos, no Tinga, a 18ª edição da Festa de Folia de Reis de Caraguatatuba.
O cenário da festa reproduz o caminho dos reis até o presépio e conta com missa solene e um jantar produzido com alimentos doados pelos donos dos presépios visitados durante o mês de dezembro e outros parceiros, que é oferecido a toda comunidade.
A Companhia é formada por músicos que tocam violas, cavaquinhos e pandeiros, entre outros instrumentos, além dos integrantes que representam os anjos, as virgens, a Rainha (Virgem Maria), os palhaços, os sentinelas, o Rei Herodes, os três Reis Magos e os Alferes que carregam a bandeira com a imagem dos Santos Reis. A coroação dos novos rei e rainha também é destaque da festa.
A 18ª Festa de Folia de Reis de Caraguatatuba é uma realização da Cia. de Folia de Santos Reis de Santo Antônio do bairro do Tinga com o apoio da Fundacc – Fundação Educacional e Cultural de Caraguatatuba e da Prefeitura de Caraguatatuba.

Sobre a Cia. de Folia de Reis
A Cia. de Folia de Reis de Santo Antônio do Tinga foi criada em 1998 por Francisco Paulo da Silva, seu irmão Antônio Francisco da Silva e por José Cardoso da Silva, que desde 1963 já participavam de outros grupos de Folia de Reis em São José do Barreiro (SP).
Os três ensinaram aos moradores do bairro Tinga o verdadeiro significado desta tradição. Atualmente, o grupo conta com 20 integrantes e tem se apresentado todos os anos nas casas de pessoas que montam presépios e que solicitam sua visita, cantando versos em comemoração ao nascimento do Menino Jesus e a visita que lhe fizeram os Reis Magos.

18ª Festa de Folia de Reis de Caraguatatuba
Data: Dia 6/1, sábado
Local: EMEF Lúcio Jacinto dos Santos
Endereço: Rua Denilza Sebastiana dos Santos, 75, Tinga
Entrada franca
Classificação livre

Horários:
16h00 – Chegada da Bandeira
17h30 – Missa Solene
18h30 – Saudações ao Presépio
20h00 – Jantar
22h00 – Passagem da Coroa
23h00 - Baile


(FONTE: O GUARUÇÁ)

sábado, 30 de dezembro de 2017

LEMBRANÇAS BOAS

Tio Aristides (Arquivo JRS)

               Ao chegar ao final de mais um ano, relembro de muitas coisas boas, de tantas pessoas queridas que são partes da minha existência. Como diria Guimarães Rosa: “O ar está com cheiro de lembrança”.

               Neste instante, meus pensamentos estão com o Tio Aristides que trava uma luta pela sua saúde, num hospital em Barretos. Ainda bem que meus primos – Arlete, Anita, Tidinho e Ninico – são carinhosos, dedicados aos pais. Também, né!?! Tia Marli e Tio Aristides sempre se deram muito bem, com uma entusiasmada disposição para a vida. Sempre amaram muito as crianças. Como disse um dia o Tio Neco: “Naquela casa tem-se a impressão que todos são crianças. O Aristides tem sorte de ter os filhos que tem”. Também penso assim. Eles brincam juntos, trabalham juntos, pescam juntos, festejam juntos... São solidários sempre. “Com eles não tem tempo ruim!”.

               Tio Aristides, o “Caneco”, além de entender de tudo na construção civil, também adora pescar, gosta de novela, de telefonar para as pessoas com muito otimismo sempre. Quando adolescente, ele levou uma ferroada de arraia, cuja ferida jamais cicatrizou. Por isso que jamais o víamos usando outra roupa que não fosse calça comprida. Outro detalhe do titio: trazer sempre um metro no bolso para tirar dúvida de distância no jogo de malha que ele tanto praticou no bairro do Sertão da Quina, nos finais de tarde. “O metro é o juiz da partida sempre!”. A tal ferida o levou à amputação logo abaixo do joelho, em 2008. Precisava ver a animação dele logo após ter vindo da cirurgia! “Estou novamente novinho em folha! Logo vamos marcar uma pescaria lá pro lado do Mar Virado!”.  Assim que se adaptou à prótese, ele voltou ao ritmo de sempre. Como eu o admiro, titio!

               Outra lembrança boa deste ano são os idosos do Lar Vicentino, do asilo, no centro de Ubatuba. Cada um com suas histórias, com seus dizeres... Chico Suré, já beirando os noventa anos, me disse: “João Moreira, meu pai, viveu cento e quinze anos. As pessoas chamavam ele de Suré, mas ele não gostava não. Ele ganhou este apelido porque era filho da Maria Suré, minha vó, escrava, que era nascido num lugar perto de São Luiz [do Paraitinga], na Vorta do Suré. É um lugar depois de uma curva, onde, entre dois morros, um largo espaço se abre. Desse lugar é que vem o apelido de Suré. Eu também morei lá quando era menino, trabalhei e cacei muito por lá com o meu pai. Depois disso viemos para Ubatuba, fomos morar no Sertão do Taquaral. Esses morros todos por aí eu conheço. Eu cacei por todo esse lugar”.


               À minha família, a todos os meus amigos e amigas que fazem parte desse ar cheio de lembranças: Feliz 2018!

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

DONA HAMAKO

"Meu pai adorava escrever" (Arquivo Harumi)
            Hamako Nishi Honda (15/02/1925 – 27/05/2015), a nossa querida Dona Maria Helena, em suas anotações, passa um pouco do que foi a vida vivida por imigrantes entre caiçaras de Iguape,  Sete Barras e outras no litoral sul do Estado de São Paulo. De vez em quando volto a ler o Caderno de Hamako para me recordar das nossas lidas de outros tempos e das gostosas prosas com essa mulher tão simples, tão nossa.
           
                  Imagino a cidade de Iguape em outros tempos e agora; que me faz recordar dos  amigos Telles, Denivaldo, Wilson, Fisher, Colaço..., dos bananais, da pesca da manjuba, do professor Diegues, da arquitetura colonial, do pessoal que adora fandango, das canoas desafiadoras, da religiosidade do povo, das experiências cooperativas de sustentabilidade... Enfim, Iguape de tantos caiçaras!

As pontes               
       Onde meu tio Matsumi morava chamava-se Quilombo. No Quilombo tinha dois rios. Meu pai é quem fez a ponte, depois de tirar madeira no mato com o camarada que trabalhava com ele. O rio era grande, bem largo, tinha mais ou menos cinquenta metros cada um. Eu gostava de contar as tábuas quando tinha. A ponte era bonita, tinha parapeito para as pessoas não caírem.

A mudança        
               Nos mudamos para a Barra do Etá. Fomos em três pessoas adiante: meu pai, meu irmão Tamotsu e eu. No rio Ribeira de Iguape, que passava em frente de casa, entrava o rio Etá [se encontravam].
               A água do rio Ribeira era escura; a do rio Etá era clara. Nós usávamos a água do rio Etá. Levávamos a água desse rio para fazer comida e para o ofurô também. Eu carregava a água com duas latas de querosene nos ombros. Chama-se tembinabo. Era mais ou menos assim:
 

               A distância era mais ou menos cinquenta metros de casa. Eu subia o morro com as latas. Lavava roupa no rio. Tinha a canoa para ficar dentro dela. Como eu ainda era pequena, era difícil lavar roupas do meu pai e do meu irmão.
               No começo ele plantava arroz. O padrinho da minha irmã tinha emprestado um pedaço de terra para a plantação de arroz. Meu pai e meu irmão fizeram a cerca com arame bem firme e  passou [arou] a terra para ficar bem fofa e poder plantar sementes de arroz ou outras coisas. Depois toda gente veio morar juntos. Aí ficou melhor porque todos ajudavam.


quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

ANO NOVO... PÉSSIMOS HÁBITOS

Era um salão nobre, local de tantas eventos! (Arquivo JRS)

427 hectares de ecologia! (Arquivo Luzia 1982)

               Não é de hoje que notamos a degradação ambiental em nosso litoral. A cada ano que passa se  cumpre a profecia de alguém lá do passado, do começo do século XX. Dizia o meu pai que o avô dele era analfabeto, viveu entre as lidas da pesca e da roça na praia do Pulso, só vinha de vez em quando na cidade, mas dizia coisas inacreditáveis: “Por aqui terá uma estrada, passarão muitos carros e construirão muitas casas. Os bens serão baratos, existirão em quantidade que nem dá para imaginar, fazendo com que muita gente os tratem como descartáveis. Mas eu não estarei vivo para testemunhar isso”.

               Hoje me recordei disso porque está evidente que o descarte de lixo pelas esquinas, em terrenos baldios, nas margens da rodovia, nos rios, nas praias etc. está cada vez pior. E o que dizer das invasões na Mata Atlântica, das derrubadas de morros para terraplanagem etc.? Elas só aumentam! Agora, na temporada de férias das crianças, parece que redobra o desafio de ensiná-las como não se comportar, deixar de seguir os péssimos exemplos perante a natureza (que é tão importante para nós e essencial para a vida).

               O assunto hoje é a Estação Experimental de Ubatuba, ou Horto Florestal. (Pode até ter outro nome, mas foi assim que aprendemos desde criança). O local se apresenta como um cenário desolador, com pouquíssimas pessoas na manutenção, sem as pesquisas de outros tempos... Acredito que a atual administração da Unidade de Pesquisa está fazendo o máximo, mas o governo estadual parece sustentar outros projetos. Que Estado é este? Olho para um lado o mato está invadindo, para o outro avisto as ruínas de um salão que até o ano 2000 ainda era nobre, com agenda sempre repleta de eventos. Adentrando, na área dos bambuzais quase não se distingue as variedades que ali resistem. Me senti desolado onde havia mais de uma centena de variedades de mandioca em estudos há menos de vinte anos. O caminho antigo, que partia do terreno de secagem de café e nos levava ao “Carreiro das Antas”, já se perdeu na mata crescida. Nem a plantação de erva mate eu consegui distinguir na minha última caminhada que fiz. Me parece evidente que essa área pública está sendo preparada para ser privatizada. Aí, alguém (pode ser até estrangeiro) vai ganhar mais dinheiro, aumentar seu capital nesse nosso patrimônio, onde tantos caiçaras e caipiras trabalharam; onde ainda tem, além da flora e fauna, resquícios do nosso passado. Pergunto: Por que o município não tem funcionários profissionais em História e em Arqueologia? Por que não tem um projeto de Turismo Cultural? 

               Enfim, o ano pode ser novo, mas os hábitos velhos de cobiça, de descartar o lixo em qualquer lugar, de sujar em todos os sentidos continuam. Pensemos nesta geração e nas futuras. Pensemos em Ubatuba. Pensemos na natureza preservada, com um potencial imenso de vida e de riquezas!

               Ah! Sabe que uma grande riqueza do “Horto” é a Fonte da Amizade? Que tal conhecê-la? (A placa já se foi, mas continua valendo o lema: A natureza criou. Nós oferecemos. Ajude a preservar).

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

A MAGIA DA VIDA ESCOLAR

Momentos (Arquivo JRS)


               Eu nasci na beira do mar, acostumado com tempo de sol e tempo de chuva determinando as atividades na roça e na pesca. “Somos caiçaras, gente simples sim senhor!”.  Porém, gente de fora foi chegando conforme as estradas foram se abrindo: turistas!
               O turismo trouxe, além da diversidade migratória e de muitas outras coisas, a preocupação com os estudos, a crença de que  com estudo as chances de ter uma vida melhor aumentam. Assim, nossos pais nos matricularam para ao menos sabermos o básico:  ler, escrever e fazer contas.
               Tal como os nossos pais e avós, ainda lemos os sinais da natureza que estão em nosso entorno. Mas a leitura dos livros ultrapassa em muito esse nosso dom, essa nossa herança cultural! É por isso que me regozijo com a juventude que leva a sério os estudos. É por isso que não me canso de elogiar a minha filha, o meu filho, as minhas sobrinhas e os meus sobrinhos que tantas alegrias nos dão em seus esforços escolares!

               Por esses dias, em 15 de dezembro, foi a vez do Estevan ultrapassar mais um marco na vida escolar. A turma dele se destacou pela amizade que construiu.  Senti isso em muitos momentos nesses anos todos, e, também quando, após a cerimônia, três famílias se reuniram numa só mesa, num restaurante, para verem seus filhos se confraternizarem mais uma vez.  Agora eles e elas se separam em busca de suas particularidades, de suas preferências profissionais. Certo é que muitos laços de amizade serão duradouros. “Eu acho é pouco!”

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

BAMBU COMO AGRICULTURA FAMILIAR

Bambuzal no Caminho da Justa (Arquivo  JRS)

        Hoje, lendo O GUARUÇÁ, encontrei uma matéria da jornalista Maria Angélica, de São Sebastião. Muito interessante mesmo, sobretudo aos caiçaras que mantém sua tradição de balaios e cestarias! Aí vai na íntegra, amiga!



    Com a Lei 12.484/2011 o bambu passou a ser considerado agricultura familiar, assim como o palmito, as famílias podem fazer o manejo e com isso gerar renda. Do bambu é usada a taquara para vários objetos como: luminárias, cestos, utensílios de cozinha, móveis, portões, instrumentos musicais, com a essência: perfumes e cosméticos. O broto do bambu pode ser cozido e vendido como o palmito e as folhas são usadas para chás.

     Em 1987 a arquiteta Chu Ming Silveira, veio morar em Ilhabela e aqui, aprendeu com os caiçaras como usar materiais como palha, bambu, pedras e plantas, criando assim o novo conceito chamado “pós-caiçara”. Hoje em dia muitas casas seguem esse conceito e existe em Ilhabela, no Morro de Santa Tereza, uma vila construída por ela, que é visitada por alunos de arquitetura do Brasil inteiro.

      Em Caraguatatuba, na inauguração do Serramar Shopping, foi uma surpresa ver que grandes áreas foram cobertas com bambu. Quem projetou seguiu a arquitetura pós-caiçara e o local ficou iluminado e agradável no verão.

   Em Ilhabela está sendo realizado o Projeto Tribuzana, uma parceria do Ministério Público Federal, Prefeitura e comunidades caiçaras, que visa o levantamento das propriedades, recuperação da cultura local e geração de renda. Hoje tem 8 monitores capacitando os caiçaras para trabalhar com bambu na Ilha de Vitória.

      No Quilombo da Fazenda em Picinguaba-Ubatuba, estão trabalhando com bambu e em 2016 foi editado o livro “O artesanato tradicional – tecendo saberes”, pesquisa feita por Edirlaine Reis e Leonardo Estevan.

      No mês de novembro na Praia de Juquehy em São Sebastião aconteceu o Bamboo Fest 2017, foram 4 dias de oficinas num encontro nacional de bambuzeiros.

     Em São Sebastião um aluno do curso de Meio Ambiente da ETEC - Rafael Guedes, está fazendo seu TCC sobre o bambu e isso pode evoluir para uma oficina orientada pela Casa da Agricultura de São Sebastião e Ilhabela.

       No Brasil são mais de 600 espécies de bambu, o sentido da palavra CAIÇARA, na origem tupi, já descreve uma cerca de divisa entre as roças e casas - certamente de taquaras, por isso acho importante que essas oficinas se multipliquem uma vez que o bambu é encontrado com facilidade, em todas as cidades do Litoral Norte.

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

DA PROA DA MINHA CANOA

Muro na capital paulista (Arquivo JRS)

Instrumentos no Casarão (Arquivo JRS)

            De acordo com o dicionário, salvaguardar  é tomar medidas para pôr (algo ou alguém) fora de perigo; proteger, defender. O Encontro de Fandango Caiçara em Ubatuba teve este objetivo.

            A salvaguarda do fandango, da canoa caiçara... Enfim, da cultura  caiçara, implica muitos aspectos, tais como: garantia de território, festividade, continuidade dos saberes e das tradições pelas novas gerações, artesanato, religiosidade, técnicas, interação/interdependência com o meio ambiente etc.

            A formação acadêmica, em contato com os sujeitos dessa cultura (caiçara), só poderá ser um reforço, “um biotônico” conforme costuma dizer o Élvio; algo que aumentará e alimentará a nossa resistência, pois poderá nos mostrar outras linhas de reflexão ao mesmo tempo que vai nos apresentando fatos, experiências muitas vezes externas, que contribuem com a cimentação das formas de resistência que  aí estão, fomentando outras alternativas. Foi assim que eu enxerguei as intervenções dos acadêmicos e acadêmicas durante o “Encontro de Ubatuba” neste fim de semana que passou. Dentre as diversas falas, me sensibilizei com a objetividade do Peter Santos Németh, acadêmico da Universidade de São Paulo (USP) que se sentiu despertado a partir da convivência com os pescadores da praia da Enseada.

            “Por volta de 2004, saindo para  pescar na madrugada com o Pedro, notei que rumávamos para a escuridão, na direção do Boqueirão, ao mesmo tempo em que as luzes da Enseada iam desaparecendo. Enquanto a canoa deslizava na água, eu prestava atenção a tudo que o Pedro falava. Era um ensinamento sobre a sua vida, a sua cultura. Foi quando eu acordei para a importância da canoa caiçara. Naquele ambiente, na lida do mar, da mesma forma que o Pedro naquela ocasião fazia comigo, os velhos caiçaras foram passando a cultura para os filhos. ‘Um dia o Pedro aprendeu assim do seu pai e do seu avô’. Cheguei à conclusão que a canoa era o principal veículo dessa cultura. Veículo em dois sentidos: condução nas necessidades e condução da cultura. Veio daí a motivação para puxar um movimento pelo tombamento da canoa caiçara como patrimônio imaterial nosso”.

            Concluindo: a partir da canoa caiçara, da prosa com aquele pescador caiçara e com tantos outros da praia da Enseada, o Peter se viu impulsionado a fazer a sua canoa na USP. Esta sua canoa, esculpida continuamente pelo enxó da reflexão e da vivência junto ao povo caiçara, só tende a alargar os horizontes do Boqueirão alcançado pela canoa de pau. Ah! Agora também leva o fandango embarcado!


            O desafio é promover mais e mais ações que possibilitem às novas gerações rever rumos e dar mais forças nas remadas neste objetivo de salvaguardar a cultura caiçara em todos os aspectos possíveis. E viva todo o pessoal que se envolveu no Encontro de Fandango Caiçara em Ubatuba!