terça-feira, 3 de maio de 2016

TRILHA DO TELÉGRAFO


Restou isso  de um poste (Arquivo Clóvis)
O nosso grupo (Arquivo Clóvis)


               Há quase trinta anos, quando eu comentava com a saudosa Dona Maria Balio que estivera na Justa, partindo da margem do Quiririm, cujo balseiro ainda era o Tio Dico, ela perguntou: “E você viu onde funcionava o telégrafo?”.

               Lógico que eu havia visto as ruínas, onde tinha funcionado o último posto telegráfico de Ubatuba! Dali, cruzando as terras do Altivo, do Dito Custódio e outros, passando pelo Sertão do Pasto Grande, pelo terreiro do Mané Grande,  grimpando pelo bananal do Lacerda, a linha plantada em postes de ferro ganhava o Estado do Rio de Janeiro. Satisfeita pela minha resposta, a Dona Maria esclareceu: “O meu pai trabalhava lá, tendo sido mais tarde transferido para o posto telegráfico do Sapê. Eu nasci na Justa. Ali está enterrado o meu umbigo”.

               Em 1990, um japonês cultivava mexilhão na Justa. Eu fiquei encantado porque jamais tinha imaginado aquilo. Naquela ocasião,  no caminho de servidão, passando pelo morro onde o Tio Durval e a Tia Belinha tinham seus roçados, ainda encontrei três postes de ferro da antiga linha telegráfica. Estava num sapezal, seguido de mata rala que se reconstituía. O meu primo Giovani, do Sapê, era o meu parceiro de caminhadas. Tenho uma fotografia dele no caminho, no meio de um milharal. Coisa que continua tendo fartamente: capim-navalha.

               Dias atrás, ao me encontrar com o Roberto Ferrero, logo escutei: “Legal as fotos da trilha, né Zé? Eu já estive muitas vezes no Puruba, ali na barra, mas nunca soube da Trilha do Telégrafo”. Pois é! Penso que é preciso conhecer, amar e defender tantos espaços de energia positiva que ainda temos. Por esse caminho de servidão, na década de 1960, além do passa-passa da caiçarada, ainda trafegava um carro de boi. Ele ia do canto do Puruba até a Justa, carregado de caxeta, onde acontecia o embarque. Testemunhou o Antônio Alexandre: “O Guelo Fileto era o condutor do carro puxado por dois bois. A fábrica era do Espanhol; só beneficiava caxeta tirada desse rio acima, dessa mata alagada por aí”.

               Os postes sumiram... ficaram as histórias:
               “Na encosta do primeiro morro – entre a Praia do Puruba e a Prainha do Ubatumirim – Sidônio, caiçara-pescador, foi surpreendido com a invasão se sessenta e um homens armados à sua modesta choupana recoberta de sapé. Aturdido atendeu às exigências dos bandoleiros visitantes.
               - Qual a cidade mais próxima aqui para cima? – Perguntou Lino.
               - É Parati – informou assustado Sidônio.
               - Grande?
               - Num é cidade grande cumo Ubatuba, não.
               - Muito bem – interpôs-se Ferreira – E quanto tempo demora para chegar a pé?
               O caiçara passou a pensar, mexia o corpo, receoso de errar:
               - Se subé toma o ataio do telefone, mais de cinco léguas”. (do livro Joatão e a Ilha)


                Um toco de um desses postes restou como prova. E o mano Clóvis fotografou.

4 comentários:

  1. Maravilha José Rolado! Isso sim é saber das coisas caiçaras!Parabens Amigo Caiçara Purão e obrigado por guardar tão bem a nossa cultura caiçara. deus Te Abençoe.

    ResponderExcluir
  2. José Ronaldo, parabéns pela informação, você um mapa da região ou mais dicas para quem quiser fazer esta trilha? soube que a prova de aventura Extreme 21K, passou por esta trilha este fim de semana e gostaria de divulgar este percurso em meu site: www.curiosidadesdeubatuba.com.br , aliás se você quiser contribuir com material será muito bem vindo também. Abs., Edson Conti

    ResponderExcluir
  3. José Ronaldo, parabéns pela informação, você um mapa da região ou mais dicas para quem quiser fazer esta trilha? soube que a prova de aventura Extreme 21K, passou por esta trilha este fim de semana e gostaria de divulgar este percurso em meu site: www.curiosidadesdeubatuba.com.br , aliás se você quiser contribuir com material será muito bem vindo também. Abs., Edson Conti

    ResponderExcluir
  4. José bom dia, você teria um mapa da trilha do telégrafo imagem ou arquivo do Google Earth, se puder por favor me mande.

    Fausto Ferrarias
    fausto@runnersp.com.br

    ResponderExcluir